Reader Comments

Estante Para Coleção

"João Benício" (2018-04-19)

 |  Post Reply

Prateleira. A A marcenaria de Carlos Alberto Ferreira de Carvalho existe desde 1992, mas só começou a produzir estantes para miniaturas em 2003, quando um colecionador procurou. A primeira encomenda não ficou muito adequada, mas cliente gostou muito", diz Carvalho. Após primeiro trabalho, empresário enxergou um mercado carente por estantes, resolveu aperfeiçoar produto até chegar em modelos mais adequados. A poeira é a inimiga do colecionador. Eles querem um produto bem feito para preservar carrinho", completa.

estante para vinilClássico ou não, no meu caso é manter as intenções do autor. Penso que estou a serviço dele, de seus personagens. Minha regra básica é: posso cortar, mas não posso acrescentar. Adaptações não são espaços para que eu coloque minhas próprias ideias. Para isso tenho meus livros e roteiros originais. Para que isso funcione sem sofrimento basta manter um critério: só adaptar de sua autores e obras que admiro.

A biblioteca infantil disponibiliza obras infantis e juvenis, gibis, revistas, em um ambiente alegre e acolhedor. Pode se disser que é a versão fulset dos consoles, este tipo de colecionador não costuma comprar jogos, na maior parte das vezes ele mal costuma jogar, pois objetivo dele e ter a maior quantidade de consoles isto inclui ate mesmo mais de uma versão de cada console, as vezes só pelo fato de serem do mesmo modelo, porem de outra cor ,já se torna alvo deste colecionador.

apartamento do funcionário público aposentado Amilton Magno Hoffmann da Rocha, 55 anos, tem uma decoração bastante peculiar. Em praticamente todos os cômodos, as paredes acolhem prateleiras e mais prateleiras de miniaturas de carros da linha Hot Wheels na escala 1:64 (64 vezes menor que um automóvel em tamanho real).

Ela absorve umidade (em locais úmidos como regiões de praia ou montanha) ou fica seca (em regiões agrestes) e é difícil controlar essa mudança viva que ela passa. Ela é mais bonita sim, e bem mais cara. Geralmente é do que se faz aqueles móveis rústicos de fazenda. Serve para isso, mas não para a estante de quadrinhos. Quanto ao aglomerado, ele é horrível. É mais barato, mas nunca use. Pode lascar e soltar toda a parte interna dele, mais fácil de pegar cupim e menos resistente. Quanto ao acabamento, prefira os que imitam madeira. Os pintados com tinta laca (fosca, brilhante ou envernizada) costumam riscar fácil. Se não tiver muito cuidado quando for varrer sua sala e esbarrar nele, pode ter certeza que logo ele estará cheio de arranhões. Repito novamente, prefira MDF e com acabamento de madeira fosca.

Na casa de Herlandson Carvalho Silva, tem adesivo em tudo quanto é canto. Na porta do quarto, no guarda-roupa, na cama, na estante para vinil, na televisão, na geladeira… Difícil haver móvel sem um. Afinal, ele possui cerca de 3.500 adesivos de futebol, um dos maiores acervos do gênero no Brasil. Eles são de mais de 100 clubes brasileiros e de outros 50 países. Coleção inusitada, mas não a única.

Quando a coleção era pequena, de no máximo uns 200 exemplares, eu fazia pilhas com os títulos, uma pilha para cada, algumas prateleiras para cada tipo ou editora. Mas com as revistas atingindo número de 3 mil já começou a ficar mais difícil, então dou prioridade para as mais vistosas e mais acessadas ficarem mais à vista nas estantes, resto fica em armários fechados ou em caixas.

Sabe, eu não me considero muito um colecionador de HQ. Porque não sou tão cuidadoso com meus gibis. Eu me considero mais um entusiasta da nona arte porque, ao fim e ao cabo, esse processo não fica só no ato de empilhar e guardar revistas em quadrinhos. Eu reflito sobre eles, estudo eles, dou aula sobre eles, escrevo sobre eles, discuto eles, então acho que nesse caso termo colecionador acaba ficando muito reducionista.

Quando um professor lê um texto para si ou para outro, situa-se nele como interlocutor desse, e contextualiza e intertextualiza que faz da leitura um encontro de personagens e personalidades. Todo texto contém em sua estrutura ensinamento estético, moralístico,humorístico ou até mesmo "prazeroso".

Afinal, reunir em uma única coleção as cerca de 500 HQs escritas e desenhadas por Carl Barks - Homem dos Patos", criador do Tio Patinhas e celebrado em todo mundo como maior quadrinhista Disney de todos os tempos -, com tanto apuro gráfico e editorial, foi um presente tão inesperado quanto valioso para os fãs brasileiros, até então acostumados a ver apenas leitores de outros países serem brindados com publicações desse naipe.

Nome: Fazendo meu filme em quadrinhos: Antes do filme começar. - Case acrílico: constitui uma ótima opção para bonecos loose, por ser em forma cilindrica e transparente, com uma base preta, permitindo que boneco fique bem protegido e em posição de pé. Para que boneco fique melhor acondicionado ideal é utilizar este case juntamente com stands circulares. Como desvantagens vale ressaltar que não é possivel utilizar stands retangulares devido ao pequeno diâmentro. Eventualmente também algum acessório pode não caber dentro do case com boneco. Outra desvantagem é custo, esses cases tem um custo relativamente alto por peça, inviabilizando a compra de muitas peças. Mas ainda é vantajoso para guardar aquela rara figura loose, de forma a proteger sua coleção.

Add comment