Reader Comments

Intolerância à Lactose Ou Alergia à Proteína Do Leite?

"Paulo Benjamin" (2018-04-23)

 |  Post Reply

suplementos alimentaresHá adultos em que algum momento da vida, ao ingerir uma quantidade maior de lactose diante à tua deficiência ou carência de lactase, apresentarão sintomas de Intolerância à Lactose. Quais são os sintomas ? Quais são os Fatores de Risco ? Idade: com o atravessar do tempo a lactase vai diminuindo na mucosa intestinal, como essa de a tolerância ao consumo de produtos que contenham lactose. Fatores nutricionais, culturais e históricos: como por exemplo, no norte da Europa ( Escandinávia ) pelo frio volumoso a população desenvolveu a pecuária e passou a ter um consumo grande de leite e derivados. Quantidade de Lactose consumida: busca mutável ao longo da vida.

Dois - Deficiência Congênita da Lactase: É o exemplar mais singular de Hipolactasia, onde a atividade da lactase é bastante baixa ou ausente desde o nascimento. Normalmente é transmitida entre gerações. Três - Deficiência Secundária de Lactase: Esse tipo de deficiência é adquirida ao longo da existência do ser e é uma situação temporária. Cada vez mais pessoas descobrem que sofrem com a intolerância à lactose, está que é a incapacidade do organismo digeri-la. No organismo que é livre nesse problema, a lactose é digerida por uma enzima chamada de lactase, que transforma em energia. Todavia, no momento em que o corpo produz menos enzimas, o organismo não é apto de digerir todos os açúcares dos produtos lácteos. No duodeno, com auxílio do suco intestinal, proteínas transformam-se em aminoácidos, e a maltose e alguns outros dissacarídeos são digeridos em consequência a enzimas como a enteroquinase, peptidase e carboidrase. No duodeno há, também, o suco pancreático, que é lançado do pâncreas pelo canal de Wirsung. A digestão encerra-se na segunda e terceira porção do intestino delgado na ação do suco intestinal ou suco entérico.

Uma equipe internacional de cientistas descobriu que muitas populações da África Oriental montaram, em tempos relativamente novas, a mutação genética que permite a adultos digerir a lactose, o principal açúcar do leite. O estudo, encabeçado por Sarah Tishkoff, da Escola de Maryland, mostra que a mutação aconteceu de forma independente da que deu aos europeus a mesma prática, e surgiu no momento em que alguns africanos passaram a construir gado. A descoberta não mostra só que cultura e genética evoluem juntas, declara Tishkoff, mas també, é "uma das marcas genéticas mais impressionantes de seleção natural agora observadas em humanos".

Antes de reduzir os alimentos, consulte um médico para excluir a probabilidade de doença celíaca e faça testes para revelar a intolerância à lactose. Se os exames derem negativo, procure a direção de um nutrólogo ou nutricionista pra que ele faça um cardápio especial sugerindo a redução dessas proteínas e observe se há uma melhora no quadro. Melhore a rotatividade dos alimentos e acrescente fibras e nutrientes na alimentação. Não imagine que substituir a farinha de trigo por farinha de arroz e polvilho causará o milagre do emagrecimento. Concretamente, mamíferos adultos não costumam mamar, em razão de não aprenderam as técnicas de pecuária que nossa espécie domina há 9 1 mil anos. Mas, por mais esdrúxulas que possam parecer essas filosofias, cabe distinguir que por volta de 50 por cento da população adulta mundial apresentam cólicas abdominais, flatulência e diarreia ao comer leite.

Ou melhor, as enzimas somente funcionam sobre o substrato pros quais foram produzidas. Como as enzimas funcionam? Ao se ligarem ao substrato, as enzimas em geral conseguem modificar a distribuição dos átomos alterando a molécula do reagente. Então, a enzima torna certas ligações do substrato mais fracas e, consequentemente, menos difíceis de serem quebradas. Ao finalizar uma reação química, a enzima é completamente regenerada e poderá ser outra vez usada numa outra reação. Para a estudante, seria excelente que o incentivo à iniciação científica nas escolas fosse comum por todo a nação. A conclusão do Google Science está marcada pra setembro, nos EUA. Maria Vitória concorre com estudantes dos Estados unidos, da África do Sul, da Índia, de Singapura, da Zâmbia, da Malásia, de Bangladesh e da Arábia Saudita. Entre os finalistas, há projetos de duelo à seca, detecção de câncer e desenvolvimento da memória com exercício de logarítimos. "O garoto nasce com o instinto de sucção instintiva, ceder o peito pra que o pirralho sugue o quanto quiser faz com que o leite venha também", lembra. A nutricionista oferece uma dica de amamentação preciosa: a pega do bico do seio. "O bico e auréola devem estar todos dentro da boca do fedelho. Se o bebê estiver com a maior parte da auréola na boca a pega está correta. Não deixe o piá sugar apenas o bico do peito, além de não sair o leite materno necessário, irá machucar a mamãe.

Nos dias de hoje muito se tem falado a respeito e bem como numerosos equívocos são cometidos. A intolerância à lactose acontece em pessoas que não produzem ou produzem pequena quantidade da enzima lactase. A alergia à proteína do leite influencia o sistema imunológico. A lactose é um carboidrato, chamado de açúcar do leite. A lactase é a enzima que tem a atividade de hidrolisar (quebrar) a lactose, facilitando a sua digestão e absorção pelo intestino. A lactose está presente naturalmente em todos os leites de origem animal. Até já o leite materno tem lactose. No momento em que a lactose não é digerida e absorvida ela é fermentada pelas bactérias intestinais causando não apenas diarreia, porém bem como incômodo por distensão abdominal, gases, cólicas e má digestão. Se bem que extremamente rara, a intolerância congênita pode aparecer no moço e expor sintomas prontamente nas primeiras mamadas.

Add comment