Reader Comments

Projeto Estante #03

"Maria Isabella" (2018-04-11)

 |  Post Reply

Ao olhar para meu exemplar de Asterix e os Godos na estante, já amarelado, com as páginas se descolando pelo tempo, sempre me vem a lembrança de minha avó. Dona Ioni sempre me incentivava a ler, tinha certo entusiasmo com a minha trajetória nas HQs, comentava de sua juventude onde tinha contato com publicado no Suplemento Juvenil e Gibi.

estantes colecionadorSempre procurei inserir algo de quadrinhos aqui na Collectors Room, e agora isso ficará ainda mais forte através da coluna Minha Estante, onde entrevistaremos colecionadores de quadrinhos e mostraremos os seus incríveis acervos, na linha do que já feito no Minha Coleção com os colecionadores de discos.

A melhor forma de evitar a umidade é manter suas revistas em Estantes colecionador, uma vez que é mais arejada e fica mais fácil de observar constantemente possíveis aparecimentos de insetos. Todavia, garanta que nenhum raio de Sol incida diretamente sobre estas estantes.

Minhas dicas principais são: sites de peso voltados para HQs, como Universo HQ; sites de comparação de preços; sites de editoras; pesquisas profundas sobre promoções; leitura de críticas feitas por gente que conhece muito; Guia dos Quadrinhos, pra organizar direitinho cada coleção e saber que já saiu e que está prestes a chegar; espaço, bom e limpo espaço para guardar os gibis.

Mauricio de Souza é sem dúvida um dos meus autores preferidos de todos os tempos, foi graças a ele que eu tinha com que me entreter nas tardes tediosas de domingo, lendo gibis ou fazendo as atividade do Almanaque da Turma da Mônica e mesmo agora com 33 anos continuo conectada com os personagens do autor, seja pelos vídeos do Mônica Toy (que sou viciadíssima) ou pelas excelentes Graphic Novels. Ler a história de vida desse homem incrível foi uma experiência gratificante e muito bom para entender um pouco da personalidade e perseverança de Maurício.

encerramento do Viagem pela Literatura de 2011 teve a dramatização da história A onda do Jamaica", realizada pelos adolescentes do Cajun do bairro Santo André. A ideia para a apresentação surgiu após leituras realizadas nas revistas em quadrinhos existentes na caixa-estante, sob a coordenação da educadora Denise Besena.

Este é um dos suportes mais utilizados na hora de guardar gibis, pois permite poupar espaço e conseguir uma arrumação fácil. As caixas de papelão, por serem porosas, têm a vantagem de deixar as revistas "respirar", mas deverão ser bem vedadas para impedir a entrada de pó e insetos.

Dito isso, é possível chegar à conclusão de que talvez público das revistas esteja sendo perdido, graças a uma nova forma de consumir as histórias em quadrinhos? Talvez. Creio que isso seja um problema da geração atual, que tem como hino imediatismo.

Foi quando um gato chamado Plutão, acabou entrando na vida do casal. Um gato preto, grande e gracioso e assim Plutão cativou seu lugar como preferido dentro da casa. Mas com tempo, narrador acabou mudando seus hábitos, dia após dia, ele se tornava mais rude e indecifrável, até dia que começou a utilizar a violência não só contra seus animais, mas também com sua esposa. caráter do homem havia mudado, motivado pelo álcool e perturbado por algo ainda pior, seu humor não melhorava. Até ponto que nem mesmo Plutão ficaria imune as mudanças de humor do dono. Foi num dia de completa embriaguez que narrador resolveu punir gato por tentar evita-lo e assim, Plutão acabou perdendo um de seus olhos, porém, este ato impensado não só traria consequências ao gato, mas também mudaria seu dono completamente.

estantes colecionador9 - Pluto, Naoki Urasawa — mangá é uma releitura de Tesuwan Atom, conhecido como Astro Boy, e conta com um mundo repleto de inteligência artificial e andróides. A história é sobre um deles, que é detetive da Europol e investiga assassinato de outros andróides. mangá faz vários questionamentos sobre uso de inteligência artificial, como sentimentos, fome, cansaço, entre outros. Um dos meus trechos preferidos é quando andróide Atom, que tem a forma de uma criança come um sorvete. Ele diz que não precisa comer, mas come pois isso deixa os humanos mais confortáveis perto dele.

Houve tempos onde coleção era coisa dos extremos da vida: ou matéria de crianças com seus bonés, álbuns de figurinhas e bolinhas de gude; ou distração de aposentados atrás de relíquias como moedas antigas e, ápice dos ápices, selos, muitos selos. Desde há muito tempo eu tinha desejo de comprar uma cristaleira. Ao pesar as questões levantadas acima sobre segurança, proteção e extensão das coleções eu logo decidi por essa opção. Eu vinha expondo as peças em uma estante aberta que logo se mostrou inadequada devido ao grande acúmulo de poeira sobre as figuras. Isso fez com que eu as guardasse e partisse à procura de uma cristaleira. Após rodar várias lojas em São Paulo (capital) pude perceber que os preços variavam grandemente e não eram tão atrativos. Depois de muito procurar decidi por um modelo que agregasse preço, estilo e proteção. Alguns critérios eram imprescindíveis para mim, dentre eles a possibilidade de se enxergar as peças de vários ângulos, ou seja, seria necessário a presença de vidros anteriores, laterais e se possível posteriores. Percebi, no entanto que a presença de "vidro" encarecia grandemente a cristaleira. Sendo assim tive que ajustar esse meu desejo ao preço.

Add comment