Reader Comments

O Espírito Da Ilha

"João Rafael" (2018-04-19)

 |  Post Reply

estantesA biblioteca infantil disponibiliza obras infantis e juvenis, gibis, revistas, em um ambiente alegre e acolhedor. Guilherme Mattje é analista de sistemas por profissão e um apaixonado por miniaturas desde sempre. Idealizador e autor do blog sobre miniaturas mini Ás, também faz parte do time ColeçãoVirtual. Enquanto toma café e escreve seus artigos, gosta de contribuir para facilitar a vida dos colecionadores.

Acredito ser completamente irrelevante discutir se histórias em quadrinhos são ou não literatura. Além de servirem, em muitos casos, como porta de entrada para gosto pela leitura em crianças e adolescentes, há uma evidente evolução de técnicas, temáticas e abordagens que não pode ser ignorada. Há Graphic Novels que são infinitamente melhores que algumas dezenas de aclamados best-sellers.

Volto a este blog motivado pela última matéria sobre as lombadas de coleções ao redor do mundo, especificamente pela foto da estante para carrinhos hot wheels do SEMI. Gostaria de inicialmente agradecer ao Leo por novamente ter me dado (epa!!!) a abertura (opa!!!) para eu escrever neste blog que muito tem me ajudado em minha coleção de quadrinhos.

Houve tempos onde coleção era coisa dos extremos da vida: ou matéria de crianças com seus bonés, álbuns de figurinhas e bolinhas de gude; ou distração de aposentados atrás de relíquias como moedas antigas e, ápice dos ápices, selos, muitos selos. Dependendo do tamanho, das cores e do material dos Action Figures, você pode escolher material da prateleira ou da estante: a madeira deixa ambiente um pouco mais carregado, portanto, caso você tenha muitos personagens e de cores e tamanhos variados, aposte no vidro para a exposição da sua coleção.

Quando a coleção era pequena, de no máximo uns 200 exemplares, eu fazia pilhas com os títulos, uma pilha para cada, algumas prateleiras para cada tipo ou editora. Mas com as revistas atingindo número de 3 mil já começou a ficar mais difícil, então dou prioridade para as mais vistosas e mais acessadas ficarem mais à vista nas estantes, resto fica em armários fechados ou em caixas.

No entanto esse texto faz referência aos vários momentos de aprendizagem , praticas educativas e reflexivas sobre ensino e aquisição do conhecimento teórico ? metodológico - filosófico. Essa discussão torna-se mais aprofundada quando se refere ao profissional da educação que através da escrita do memorial formativo, toma parte na produção contextualizada da sua história de vida e aprendizagem e da história do outro enquanto aprendiz.

Do primeiro volume, Manual do Escoteiro Mirim, em 1971, até Manual da Copa do Mundo, de 1986, foram 16 livros em capa dura (outros, em brochura) e milhares de páginas com informações sobre assuntos diversos, dicas úteis, brincadeiras, histórias ilustradas e tudo que você queria saber" a respeito de alguma coisa.

A Mari, que padece do mesmo problema, com um pouco mais de entusiasmo por causa da sua organização, um dia desses me disse que estava pensando em doar seus livros da Chimamanda Ngozi Adichie para fazer a coleção nova da Companhia das Letras, com imagens de mulheres negras com cabelo trançado, em cores vivas (ainda não sabemos desfecho dessa história).

Ler Shakespeare em quadrinhos, porém, não me fez ter curiosidade de ler original. Fui ler muito tempo depois Hamlet e Macbeth por outros motivos. Meu livro de quadrinhos shakespearianos era tão bonito que ele bastava. Não sei até que ponto transformar livros importantes em história em quadrinhos faz com que a criança se interesse em ler livro original. Com algumas isso pode ocorrer, com outras, não. A história em quadrinhos adaptada de livros, quando é benfeita, isto é, quando mostra um casamento harmônico entre texto e desenho, não precisa servir de meio para estimular a leitura do original. Se ela estimular tal leitura, ótimo. Mas se estimular a leitura de outros quadrinhos, ótimo também.

Prateleira. A A marcenaria de Carlos Alberto Ferreira de Carvalho existe desde 1992, mas só começou a produzir estantes para miniaturas em 2003, quando um colecionador procurou. A primeira encomenda não ficou muito adequada, mas cliente gostou muito", diz Carvalho. Após primeiro trabalho, empresário enxergou um mercado carente por estantes, resolveu aperfeiçoar produto até chegar em modelos mais adequados. A poeira é a inimiga do colecionador. Eles querem um produto bem feito para preservar carrinho", completa.

Entrando no comentário da Elektra, ela foi uma miniatura que acabou decepcionando um pouco, principalmente adagas meia tortas, fiquei com receio de tentar desamassar e quebrar, relaxaram um pouco na pintura dela. Apesar desses detalhes ainda estou adorando a coleção e entre tantas miniaturas pequenos detalhes passam despercebidos.

Se certifique que as revistas guardadas em estantes ou prateleiras não recebem luz do sol direta, que, a curto prazo, "queima" os pigmentos da impressão e as deixa pálidas. Deverá também ter cuidado de limpar pó das revistas com alguma regularidade e deixar algum espaço entre elas, para que não fiquem demasiado apertadas.

Add comment