Reader Comments

Vinte e oito Fachadas Em Modo Rústico

"Paulo Isaac" (2018-04-10)

 |  Post Reply

Existem projetos de casas de praia e de campo que se fundem à natureza. Aproveitando a oportunidade, encontre bem como este outro website, trata de um assunto referente ao que escrevo por esse artigo, podes ser útil a leitura: plataforma elevatória https://www.grupoapc.com.br/plataformas-articuladas/. E também obedecer o entorno, o intuito é fazer quota dele, viver o ritmo aluguel plataforma elevatória das árvores e do vento. Sempre que o vidro garante o contato direto com o lugar externo, materiais rústicos e, de preferência, das redondezas - como pedra, madeira, palha, taipa e tijolos de barro - trazem assim como pro lado de dentro esse clima natural. Estas vinte e oito fachadas em estilo rústico afirmam como dominar a integração com a paisagem. Quer saber o que devia levar em conta pela hora de se solucionar pela fachada?


O arquiteto Gustavo Calazans analisou 20 casas de internautas. Este sítio de 299 m², no interior de São Paulo, privilegia o emprego de utensílios rústicos, como pedra, taipa e madeira. As pedras do tipo arenito formam os alicerces e sobem até as paredes de taipa (barro compactado a respeito de trama de eucalipto e sobras de pínus e araucária). No encontro entre as águas do telhado não há rufos nem cimento, como é usual: dessa forma, as telhas de demolição resguardam a residência com delicadeza. Projeto de Mauro Munhoz Arquitetura.



  • Projeto arquitetônico

  • Crie e acompanhe o cronograma

  • Use bambu ou bancadas de madeira maciça

  • 2 cópias do carnê do IPTU - onde será a obra ou reforma

  • doze Reunir à minha biblioteca



plataforma elevatória https://www.grupoapc.com.br/plataformas-articuladas/

A idéia que norteia este projeto de 208 m² é confundi-lo com a paisagem no litoral de Pernambuco. Tarefa praticada pela cobertura da capim santa-fé, amarrado no madeiramento do telhado e mantido ao natural. A varanda é sustentada por vigas e pilares roliços de maçaranduba, reforçando o semblante rústico da construção. Projeto de Cláudio Bernardes e Paulo Jacobsen Associados. Os donos queriam um espaço para apreciar a mata verde e a luminosidade da localidade.


Esse sítio de aluguel plataforma elevatória 345 m², achado em Itu, SP, exibe uma combinação típico de materiais tudo em nuances de amarelo e laranja. Colunas e detalhes de tijolo aparente dão um aspecto rústico à construção. As janelas, feitas com ipê, colaboram para um consequência harmônico. Projeto de reforma de Jorge Kluwe . Transparente e com o arcabouço de madeira à mostra, esta cabana de 54 m² em São Sebastião, litoral paulista, revela sua engenhosidade. O projeto segue o começo da modulação, que simplifica a concepção e agiliza a obra.


Quer dizer, a residência se organiza em múltiplos de 3 m: ambientes e painéis medem 1,50 m, três m ou 6 m. Erguida a respeito de um porão de alvenaria, a construção fica afastada da umidade do solo. Projeto de Enzo Grinover. Esta residência de 397 m² em Angra dos Reis, RJ, exibe estruturas de madeira, que harmonizam com alvenaria texturizada, pedras, telhado e esquadrias, dando um ar rústico à morada.


As venezianas dão privacidade sem comprometer a ventilação, do mesmo jeito que as varandas proporcionam ambientes frescos pra visualizar o mar de qualquer circunstância. Projeto do escritório Cadas Arquitetura. Os materiais de demolição reinam por este sítio de 247 m² no interior de São Paulo. Na seleção garimpada com esmero, figuram os gradis de ferro ornamentados que protegem os balcões. Bem como do passado vêm as janelas de pinho-de-riga da sala e as restantes de peroba antiga. Além da pedra, tijolos de trinta cm revestem a fachada. Por terem calcário na mistura, eles não racham. Projeto de Renato Marques.


Com tom vibrante nas paredes e instrumentos rústicos, a construção no litoral de São Paulo tem o alto-astral de um recinto praiano. Os painéis de vidro de 4 mm são protegidos por um beiral isso impede que a incidência solar transforme o interior da moradia em uma estufa. Antes da pintura com acrílico vermelho, as toras de eucalipto, já limpas e envernizadas, foram cobertas com papel pra impedir respingos. Projeto de Francisco Fernandes. Esta casa de 250 m² em Campos do Jordão, SP, reflete a atmosfera aconchegante das construções serranas. Daí o predomínio da madeira.


Emoldurando o vidro, os caixilhos são de freijó, que não empenam. Pilares de jatobá prometem resistência à infraestrutura. As pedras, compradas pela localidade, compõem paredões e enfatizam o caráter natural da morada, referência livre ao mestre da arquitetura orgânica, o americano Frank Lloyd Wright. Projeto de Mauro Munhoz, com a colaboração de Walter Maximilian Gosslar. Com economia de modos e amplas aberturas, este refúgio de 448 m² em Campos do Jordão, SP, não só deixa os olhos a vagar na paisagem assim como também traz a meio ambiente para dentro de casa. A simplicidade se reflete ainda pela escolha de objetos: só pedra, madeira e vidro.



Add comment